Acontece no Setor | Fenabrave Fenabrave - Acontece no Setor

Notícias

As notícias mais importantes do mercado automobilístico
 
Indicadores
Atualizado em 25/09/2019
  Compra Venda
Comercial R$4,168 R$4,169
Turismo R$4,150 R$4,400
30º Congresso & ExpoFenabrave

IGP-DI sobe menos que o esperado em outubro

09 / 11 /2016

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) avançou 0,13% em outubro, após ter subido apenas 0,03% em setembro, divulgou ontem a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Apesar da aceleração no ritmo de aumentos, o resultado do indicador no mês passado ficou abaixo até das projeções mais otimistas do mercado financeiro, que estimavam um avanço mínimo de 0,18%, de acordo com levantamento do Projeções Broadcast, do sistema de notícias em tempo real da Agência Estado.

No atacado, a inflação manteve-se comportada. A redução nos preços dos combustíveis nas refinarias, anunciada pela Petrobrás em outubro, ajudou a conter o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-DI), que subiu apenas 0,04% em outubro. A gasolina ficou 1,75% mais barata, enquanto o preço do diesel caiu 1,48%.

“O efeito da redução nos preços dos combustíveis ainda vai crescer nos próximos índices de preços”, previu o superintendente adjunto para Inflação do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), Salomão Quadros.

A Petrobrás anunciou uma redução média de 2,7% no preço do diesel e 3,2% no da gasolina a partir de 15 de outubro. Devido ao período de coleta de informações do IGP-DI, o indicador de inflação pegou apenas metade do impacto do corte de preços, explicou Quadros.

Na inflação ao consumidor, entretanto, a gasolina ficou 1,77% mais cara, como reflexo do encarecimento do álcool anidro, que é adicionado ao combustível.

“O álcool está se aproximando da entressafra. A safra anterior não foi brilhante, porque o açúcar está com um preço muito bom, então disputa com o álcool nas usinas”, lembrou o superintendente do Ibre/FGV.

O álcool anidro chegou a subir 10,13% no atacado. O etanol também ficou mais caro para o consumidor: o preço aumentou 5,11% em outubro.

“Como o preço do álcool cresceu muito, ele tomou o espaço que teria para a queda da gasolina nas refinarias. Essa é a explicação da subida da gasolina no varejo no mesmo momento em que recua no atacado”, acrescentou Quadros.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-DI) teve elevação de 0,34% em outubro. Já a inflação na construção, medida pelo Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-DI), ficou em 0,21%.

O ESTADO DE S. PAULO - ECONOMIA - São Paulo - SP - 09/11/2016 - Pág. B8